sexta-feira, 11 de julho de 2014

A reação de Randolfe

O senador Randolfe Rodrigues (PSOL) se sentiu agredido pelo jornalista Rup Silva, considerado um alinhado com o clã dos Capiberibe. Por conta disso o PSOL lançou uma nota em defesa do Senador.
O fato de não concordar com a aliança entre PSOL e PSB, Randolfe passou a ser atacado pela artilharia capiberista, embora nunca tivesse feito discurso atacando o PSB.

NOTA DO PSOL EM DEFESA DO SENADOR RANDOLFE RODRIGUES



Mais uma vez o cronista político Rup Silva publica um infeliz texto externando suas avaliaçõeslimitadas acerca do PSOL e de suas figuras públicas. Utiliza-se de argumentos baixos, desrespeitosos e autoritários.  Ataca de forma vil o Senador Randolfe Rodrigues, um dos melhores senadores do Brasil e orgulho do povo do Amapá que o elegeu com a maior votação da História.
Faz isso inapropriadamente num momento em que o PSOL e o PSB, partido com o qual vem postulando alinhamento, conseguem, com muito esforço e maturidade, construir não só uma aliança política, mas uma repactuação da esquerda no Amapá.
O senador Randolfe tem uma postura política ímpar, sempre travando o combate a favor do Amapá e do Brasil, contra a corrupção e buscando emendas para desenvolver nosso estado. Desde o primeiro ano de seu mandato se colocou como oposição ao senador José Sarney, disputando inclusive a presidência do Senado contra ele.
É inadmissível qualquer tipo de acusação irresponsável sobre a conduta do senador Randolfe como político de esquerda, comprometido com o País e com o estado do Amapá.Oque o senhor Rup Silva faz é um jogo medíocre de tentar desgastar a figura de um senador da república, atacando com isso um aliado do seu partido, pois atacar o senador Randolfe é atacar o PSOL, em um momento delicado de junção de esforços para manter o Amapá longe do atraso e das forças conservadoras.
Hoje o Amapá tem um governo, com o PSB,uma a prefeitura de Macapá, com o PSOL, como trincheiras progressistas, com gestões pautadas na ética, no combate a corrupção, que estimulam a participação popular e que se determinam a reconstruir os serviços e políticas públicas destruídos pelo grupo político que os antecedeu,
Porém, esses mesmosgrupos políticas, que por muito tempo drenaram recursos públicos e sucatearam a máquina do Governo e da Prefeitura, tentam a todo custo se rearticular e tomar novamente o poder. Nesse cenário, PSOL e PSB, que estão à frente das gestões estadual e municipal, conseguiram construir uma unidade política pra combater a sombra do atraso e desenvolver nosso estado e sua capital.
Enquanto nós do PSOL celebramos tal construção,trabalhamos incansavelmente para aparar arestas e reunificar a esquerda em favor da sociedade, somos atacados pelo SenhorRup Silva, que em seu texto trata um aliado como o PSOL de forma deselegante.
O Sr. Rup Silva claramente não compreende a importância política que uma unidade como essa, construída entre PSOL, PSB, PT e PCdoB, tem para o presente e o futuro do nosso estado. Atacar um aliado como foi atacado o PSOL deixa claro a falta de habilidade que esse senhor possui para avaliar a conjuntura e compreender a importância de cada agente nessa construção.
Os partidos que compõem a frente para a reeleição do governador Camilo Capiberibe estão juntos para construir e participar desse projeto. É preciso humildade e grandeza para juntarmos forças frente aos inimigos da democracia, da transparência e da ação política compromissada com as causas do povo.
O PSOL não vai retroagir, porque entende que o projeto maior, em favor do bem estar da população, do estado e da cidade está acima dos entendimentos rasteiros e pontuais. Porém, o PSOL vai continuar fortalecendo suas legítimas lideranças e os companheiros de luta e com história em favor das causas do povo, como o senador Randolfe Rodrigues.
Dejalma do Espírito Santo                Clécio Luís Vilhena Vieira
Presidente Estadual do PSOL         Presidente Municipal do PSOL

quinta-feira, 3 de julho de 2014

Divergência no PSOL




O PSOL fechou coligação com o PSB contra a vontade do senador Randolfe Rodrigues. Prevaleceu a posição do prefeito Clecio Luis. Por Randolfe o PSOL tomaria outro rumo, mas a oferta de uma parceria com governo do estado seduziu o prefeito. Clécio espera que Camilo cumpra o que acertou no projeto de recuperação do sistema viário de Macapá que está bastante debilitado.

Amapá tem sete candidatos ao Governo.

Nada menos do que sete nomes serão apresentados aos eleitores como candidatos ao governo do estado nas eleições de outubro. Waldez Góes (PDT) tendo como vice Papaléo Paes (PP); Bruno Mineiro (PT do B) vice Aline Gurgel (PR); Jorge Amanajás (PPS) vice Daiana Ramos (PMN);  Camilo Capiberibe (PSB) vice Rinaldo Martins (PSOL); Lucas Barreto (PSD) tendo como vice Wagner Gomes (SD); Genival Cruz (PSTU) vice Wilamo Barbosa (PSTU) e Décio Gomes (PCB).

Sabado é o ultimo dia para registro de candidaturas


Os candidatos ao Governo, Senado, Camara Federal e Assembleia Legislativa tem ate sabado, 5, às 19h para solicitar registro junto ao Tribunal Regional Eleitoral. O primeiro candidato a governador a pedir registro foi Genival Cruz (PSTU). Deu entrada na documentação, ontem, no TRE.

terça-feira, 1 de julho de 2014

PT do B e partidos aliados confirmam candidatura de Moisés Rivaldo ao Senado.


Clay Sam

Os candidatos a Governador e vice, Bruno Mineiro e Aline Gurgel, respectivamente, anunciaram oficialmente, na manhã desta terça-feira(01), o nome do Promotor Moisés Rivaldo, como candidato ao Senado, pela Coligação composta pelos partidos PT do B, PV, PSDC, PROS, PEN, PR, PHS e PRB.

Durante um café da manhã, os candidatos receberam a imprensa e anunciaram a decisão tomada pelos diretórios que compõem a coligação.
O Promotor Moisés disse durante o encontro, que a decisão de se candidatar ao Senado, não é um “recuo” no plano de concorrer ao Setentrião, mas, sim, de um avanço num mega projeto de governo. “Não estamos recuando do governo, e sim aderindo a uma coligação que possui identidade com o nosso partido. Conheço o Bruno e sei de seu compromisso com o desenvolvimento que nosso Estado merece. No Senado, vamos ser protagonistas dessa mudança, ao lado do governador Bruno Mineiro”. Declarou Moisés.

Por sua vez, o candidato Bruno Mineiro, agradeceu a adesão do promotor Moisés e da legenda PEN, ao que ele chamou de grande Frente pela Renovação do Estado.
Mineiro também reconheceu a importância da imprensa no papel democrático, afirmando que o governo pauta a imprensa, mas também a imprensa pauta o governo, quando denuncia de forma responsável, o que vem ocorrendo de errado nas diversas pastas do poder público.


Conheça os candidatos

Moisés Rivaldo
Natural do município de Bela Vista de Minas, em Minas Gerais, Moisés Rivaldo Pereira nasceu em 1962 e trabalha como promotor do Ministério Público há 22 anos. Foi candidato ao cargo de deputado federal em 2002 e em 2006, e obteve votos suficientes para a suplência, mas teve a licença de desempenhar atividade político partidária negada.
O Ministério Público do Amapá concedeu aposentadoria voluntária por Tempo de Contribuição ao promotor Moisés Rivaldo, conforme Portaria nº 0116/2014, de 3 de abril. Moisés Rivaldo passou a ser membro do MP-AP após ser aprovado no primeiro concurso para Promotor de Justiça do MP/AP.

Bruno Mineiro
Bruno Manoel Rezende, tem 34 anos de idade, nasceu em Belém do Pará, aos 7 meses, foi morar em Tartarugalzinho, no Estado do Amapá. Casado com a odontóloga, Liliane Abreu, pai de uma filha, Bruna Rezende. É filho de Altamir Rezende, empresário e ex-Prefeito do Município de Tartarugalzinho-AP e de D. Narciza Rezende.
Em 2002, foi graduado em Engenharia Civil pela Fundação Mineira de Educação e Cultura. Em 2010, foi eleito Deputado Estadual pelo PT do B do Amapá. Na Assembleia Legislativa exerceu o cargo de Presidente da Comissão de Transportes e Obras Públicas-CTO. Em dezembro de 2012 assumiu o cargo de Secretário de Transportes do Estado do Amapá. É mais conhecido como Bruno Mineiro.

Aline Gurgel
Aline Paranhos Varonil Gurgel, ou Aline Gurgel, como é politicamente conhecida, nasceu no Amapá, é Bacharel em Direito pelo Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP. Filha de Naciso Antonio de Souza Paranhos e Marinete de Souza Paranhos, Mãe de dois filhos: Mateus varonil Alencar Maia de 14 anos e Maria Eduarda Paranhos Gurgel de 09 anos, Casada com Hildegard de Azevedo Gurgel.
Iniciou sua carreira política, após a faculdade, quando começou a se empenhar no Partido Republicano Trabalhista Brasileiro(PRTB/AP). Hoje é ativamente participante e filiada ao Partido da República (PR). Entre outras atribuições partidárias, tornou-se presidente do PR Mulher, na qual desenvolve importante papel a frente das lutas para o fortalecimento das mulheres na política, mercado de trabalho e família. Em 2012 concorreu e foi eleita a uma vaga na Câmara Municipal de Macapá. Em pouco tempo, conquistou o eleitorado Macapaense, sendo a vereadora mais votada do Município, eleita com 4.771 mil votos. Atualmente, é presidente da Comissão Tributária, Financeira e Orçamentária-CTFO e membro da Comissão Permanente de Defesa dos Direitos da Mulher–CDDM.

Bruno e Aline, são candidatos ao Governo do Estado, por um grupo de partidos que acredita que o desenvolvimento do Amapá só será viável com união de todos e muito trabalho.

ASCOM-BRUNO E ALINE