terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Rádios AM serão transformadas em FM, em 2016



Sabrina Craide - Repórter da Agência Brasil
A partir de janeiro, 948 rádios de todo o Brasil já poderão sair da faixa AM (modulação em amplitude) e começar a transmitir a programação no sistema FM (frequência modulada).

Atualmente, 1.781 emissoras estão como AM e, entre elas, 1.385 pediram para mudar de faixa. Segundo o Ministério das Comunicações, 948 rádios poderão fazer a migração em 2016.
As demais emissoras terão que aguardar a liberação do espaço que vai ocorrer com a digitalização da TV no país.
Os valores que cada emissora terá que pagar para fazer a mudança variam de R$ 8,4 mil a R$ 4,4 milhões. A tabela - elaborada pelo Ministério das Comunicações - foi feita com base em critérios como índices econômicos e sociais e população do município em que a rádio está localizada, além do alcance.
Para fazer a alteração, os radiodifusores terão de arcar com os custos referentes à diferença entre as outorgas de AM e de FM. Além disso, será necessário adquirir equipamentos para a transmissão do novo sinal.
A migração de faixa não é obrigatória, mas é uma antiga reivindicação dos radiodifusores brasileiros.
As rádios AM têm enfrentado queda de audiência e de faturamento em razão de interferências na transmissão da programação.
Além disso, não podem ser sintonizadas por dispositivos móveis, como celulares e tablets.
Edição: Kleber Sampaio

67 jornalista morrem em 2015

Da Agência Lusa
Sessenta e sete jornalistas foram mortos em todo o mundo em 2015 no exercício da profissão, de uma lista de 110 profissionais que perderam a vida em circunstâncias pouco claras, segundo balanço divulgado hoje (29) pela organização internacional Repórteres Sem Fronteiras (RSF).



Os dados mostram que, além desses, também morreram 27 blogueiros e outros sete colaboradores de meios de comunicação social, elevando para 787 o número de profissionais de comunicação mortos na última década.
O Iraque teve o maior número de jornalistas mortos em 2015 (nove confirmados de 11 possíveis), seguido da Síria (nove confirmados de dez possíveis), ambos palco de conflitos armados e com a presença do grupo extremista Estado Islâmico (EI). A França subiu ao terceiro lugar (oito vítimas), após o atentado terrorista contra a redação do jornal satírico Charlie Hebdo, em 7 de janeiro. A lista negra segue com o Iémen, o Sudão do Sul, a Índia e o México.

Ao contrário do que aconteceu em 2014, a maioria das vítimas neste ano era jornalista local (97%) que trabalhava fora de zonas de conflito (64%). No ano passado, a maior parte dos 66 jornalistas mortos foi assassinada em áreas de guerra.
“É fundamental adotar um mecanismo concreto para a aplicação do direito internacional sobre a proteção dos jornalistas”, declarou o secretário-geral da organização, Christophe Deloire. Neste sentido, considera fundamental que as Nações Unidas designem um “representante especial” para a proteção dos jornalistas.
A Repórteres Sem Fronteiras também recordou que dois dos jornalistas assassinados este ano são mulheres: a francesa Elsa Cayat (que morreu no ataque jihadista contra o Charlie Hebdo), e a somali Hindia Mohamed, vítima da explosão de um carro bomba pela milícia Shebab, no dia 3 de dezembro.
Dados da RSF divulgados há duas semanas indicam ainda que neste ano 54 jornalistas foram sequestrados – alta de 34% na comparação com 2014; e 153 presos – queda de 14% na comparação com o ano anterior.
Os reféns encontram-se na Síria (26), Iémen (13), Iraque (10) e Líbia (5); enquanto os presos estão sobretudo na China (23), no Egito (22), Irã (18) e na Turquia (9). Os 66 restantes estão presos pelo resto do mundo.
Edição: Denise Griesinger

Petrobras vende 49% da Gaspetro



Negócio foi fechado, ontem, 28, com a  Mitisui. Segundo a Petrobrás, a os japoneses pagaram 1,93 bilhão de reais depois de cumprirem todas as exigências do contrato. A transação ajuda a Petrobras a fazer o desinvestimento. Pra mim isso é desmonte.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Notas quentes da política

Acertou 
Governador Waldez Góes
Meu ponto de vista é claro: Waldez Góes acertou em não repassar dinheiro para o carnaval. Seria descabido diante da crise em que vivemos. O que me conforta é que nas redes sociais eu vejo que a população também se manifesta a favor.

E a Expofeira?
Fiz até um artigo mostrando que a Expofeira é um mecanismo indutor da economia. Defendi o investimento do Governo porque sei que tem resultado positivo. São aspectos diferentes e os resultados são, incomparavelmente, a favor da Expofeira.

Por um triz
O Brasil vai às ruas hoje.  Penso que com essas manifestações, com o povo nas ruas, esse 13 de dezembro de 2015 será um marco na história do país. Talvez só esteja faltando riscar o fósforo.


Formando bancada
O Partido da Mulher Brasileira está na berlinda. Aproveitando a janela aberta na legislação eleitoral, o PMB acabou se capitalizando na Assembleia Legislativa. Conseguiu formar uma bancada de 6 deputados, até agora. É mais um reforço para a família Gurgel.

Só mulher? 
Dep. Luciana Gurgel, presidente do Partido da Mulher
Apesar de ter o nome de Partido da Mulher, nascido para defender, prioritariamente os interessas da mulher, a nova sigla conta com cinco deputados homens na Alap. Até agora só a presidente, Luciana Gurgel, pertence ao naipe peemebista.

Primeiro líder
Dep. Pedro da Lula ( Partido da Mulher)
Mesmo tendo sido o último a embarcar na canoa do PMB, essa semana, Pedro da Lua passou ser a joia da coroa. Foi-lhe dado a liderança. Agora justiça se faça, Da Lua chega a dividir com Marilia Góes (PDT) projeção e visibilidade entre seus pares.

Expertise
Renivaldo Costa demonstrou capacidade e se credenciou para ser o chefe da Comunicação da Assembleia Legislativa. Em pouco tempo, graças ao seu trabalho como assessor de imprensa,  deu grande visibilidade ao deputado da Lua. Do nada Renivaldo fazia uma notícia correr para projetar seu assessorado. É competente.

Ridículo

Dos onze parlamentares da nossa bancada federal posso contar até dois para encontrar quem se destaca. É fraca demais. Baixa formação, pouco conteúdo, quase nenhuma expressão. Alguns vivem desaparecidos, mas quando se atrevem a falar alguma coisa, são motivo de chacota. É uma vergonha.

Sobre o impeachment

 Olimpio Guarany

O Brasil precisa entender que a decisão do ministro Edson Fachin, do STF, em  conceder, essa semana,  liminar contra parte do rito do impeachment não anula nenhuma decisão tomada pela Câmara. Aliás, ele só suspendeu, não julgou o mérito que fica para o plenário, na próxima quarta, dia 16. O pontos questionados na ação do PC do B são: a Câmara cumpriu ou não o rito em fazer a eleição secreta para a formação da Comissão Especial? A apresentação da chapa alternativa é legal?
O que me deixa estupefato é que Dilma insiste em recorrer ao judiciário como se lá ela conseguisse a guarida desejada. É bom que se diga que o STF já negou pleitos governistas neste processo impeachment.  Afinal a alta Corte não é casa de amparo

A derrota
A prova indiscutível de que o Governo está sem governo e sem prestígio foi a derrota acachapante sofrida para a oposição e dissidentes da base governista, na verdade, uma derrota fragorosa por 272 a 199 votos.
Vejo que, a cada dia que passa, a presidente vai ficando sozinha. O episódio da carta de Temer resultou, com certeza, no afastamento de mais peemedebistas, embora os dois – Dilma e Temer - tivessem conversado no dia seguinte e dito que teriam uma convivência, digamos, pacífica. Penso que Temer não mudou a convicção expressa na carta. É bom lembrar: “ a senhora não tem confiança em mim e no PMDB, hoje, e não terá amanhã”. Quebrou a taça de cristal

Para ficar
Dilma Roussef insiste em permanecer na presidência  mesmo que com isso o Brasil perca credibilidade no mercado externo, que os investidores se afastem, que a economia esteja definhando, o desemprego aumentando, a inflação passando dos dois dígitos, mesmo com todas as desgraças que o país passa. Todas, absolutamente todas as notícias sobre  finanças dão conta de que o Brasil está cada vez pior.
E ai eu fico me perguntando: Se Dilma conseguir barrar o impeachment vai melhorar alguma coisa? Não. O Brasil está totalmente desacreditado, insisto.
A base do Governo no Congresso está esfacelada e de difícil recomposição porque ninguém acredita mais nos acordos que o Governo faz. A cada desdobramento da Lava Jato vemos uma enxurrada de lama arrastar, de roldão, personalidades políticas ainda mais próximas do Planalto. Como enxergar um horizonte onde existe tanta fumaça?

E o Judiciário?
Penso que se o Governo joga todas as fichas no tapetão acreditando que o STF vai barrar o processo está enganado. A minha certeza é que, mesmo que a maioria dos ministros do STF tenha sido indicada pelos governos do PT, nesses últimos 13 anos, aquela alta Corte que nos momentos mais difíceis decidiu pelo Brasil, certamente estará firme como guardiã da  constituição e da democracia. É o que o povo espera.
________________________________________________________________

Olimpio Guarany é jornalista, economista, publicitário e professor universitário

terça-feira, 8 de dezembro de 2015

"A senhora não confia em mim", diz Temer à Dilma




Em carta à presidente Dilma Roussef, o vice presidente Michel Temer faz um desabafo, diz que ela não confia nele e se classifica como "vice decorativo". O documento é um rompimento de Temer com a presidente.


Veja a carta na íntegra:

Senhora Presidente,
‘Verba volant, scripta manent’.
Por isso lhe escrevo. Muito a propósito do intenso noticiário destes últimos dias e de tudo que me chega aos ouvidos das conversas no Palácio. Esta é uma carta pessoal. É um desabafo que já deveria ter feito há muito tempo. Desde logo lhe digo que não é preciso alardear publicamente a necessidade da minha lealdade. Tenho-a revelado ao longo destes cinco anos.
Lealdade institucional pautada pelo art. 79 da Constituição Federal. Sei quais são as funções do Vice. À minha natural discrição conectei aquela derivada daquele dispositivo constitucional. Entretanto, sempre tive ciência da absoluta desconfiança da senhora e do seu entorno em relação a mim e ao PMDB. Desconfiança incompatível com o que fizemos para manter o apoio pessoal e partidário ao seu governo.
Basta ressaltar que na última convenção apenas 59,9% votaram pela aliança. E só o fizeram, ouso registrar, por que era eu o candidato à reeleição à Vice. Tenho mantido a unidade do PMDB apoiando seu governo usando o prestígio político que tenho advindo da credibilidade e do respeito que granjeei no partido. Isso tudo não gerou confiança em mim. Gera desconfiança e menosprezo do governo.
Vamos aos fatos. Exemplifico alguns deles.
1. Passei os quatro primeiros anos de governo como vice decorativo. A Senhora sabe disso. Perdi todo protagonismo político que tivera no passado e que poderia ter sido usado pelo governo. Só era chamado para resolver as votações do PMDB e as crises políticas;
2. Jamais eu ou o PMDB fomos chamados para discutir formulações econômicas ou políticas do país; éramos meros acessórios, secundários, subsidiários;
3. A senhora, no segundo mandato, à última hora, não renovou o Ministério da Aviação Civil onde o Moreira Franco fez belíssimo trabalho elogiado durante a Copa do Mundo. Sabia que ele era uma indicação minha. Quis, portanto, desvalorizar-me. Cheguei a registrar este fato no dia seguinte, ao telefone;
4. No episódio Eliseu Padilha, mais recente, ele deixou o Ministério em razão de muitas ‘desfeitas’, culminando com o que o governo fez a ele, Ministro, retirando sem nenhum aviso prévio, nome com perfil técnico que ele, Ministro da área, indicara para a ANAC. Alardeou-se a) que fora retaliação a mim; b) que ele saiu porque faz parte de uma suposta ‘conspiração’;
5. Quando a senhora fez um apelo para que eu assumisse a coordenação política, no momento em que o governo estava muito desprestigiado, atendi e fizemos, eu e o Padilha, aprovar o ajuste fiscal. Tema difícil porque dizia respeito aos trabalhadores e aos empresários. Não titubeamos. Estava em jogo o país. Quando se aprovou o ajuste, nada mais do que fazíamos tinha sequencia no governo. Os acordos assumidos no Parlamento não foram cumpridos. Realizamos mais de 60 reuniões de lideres e bancadas ao longo do tempo solicitando apoio com a nossa credibilidade. Fomos obrigados a deixar aquela coordenação;
6. De qualquer forma, sou Presidente do PMDB e a senhora resolveu ignorar-me chamando o líder Picciani e seu pai para fazer um acordo sem nenhuma comunicação ao seu Vice e Presidente do Partido. Os dois ministros, sabe a senhora, foram nomeados por ele. E a senhora não teve a menor preocupação em eliminar do governo o Deputado Edinho Araújo, deputado de São Paulo e a mim ligado;
7. Democrata que sou, converso, sim, senhora Presidente, com a oposição. Sempre o fiz, pelos 24 anos que passei no Parlamento. Aliás, a primeira medida provisória do ajuste foi aprovada graças aos 8 (oito) votos do DEM, 6 (seis) do PSB e 3 do PV, recordando que foi aprovado por apenas 22 votos. Sou criticado por isso, numa visão equivocada do nosso sistema. E não foi sem razão que em duas oportunidades ressaltei que deveríamos reunificar o país. O Palácio resolveu difundir e criticar;
8. Recordo, ainda, que a senhora, na posse, manteve reunião de duas horas com o Vice Presidente Joe Biden – com quem construí boa amizade – sem convidar-me, o que gerou em seus assessores a pergunta: o que é que houve que, numa reunião com o Vice-Presidente dos Estados Unidos, o do Brasil não se faz presente? Antes, no episódio da ‘espionagem’ americana, quando as conversar começaram a ser retomadas, a senhora mandava o Ministro da Justiça, para conversar com o Vice Presidente dos Estados Unidos. Tudo isso tem significado absoluta falta de confiança;
9. Mais recentemente, conversa nossa (das duas maiores autoridades do país) foi divulgada e de maneira inverídica sem nenhuma conexão com o teor da conversa;
10. Até o programa ‘Uma Ponte para o Futuro’, aplaudido pela sociedade, cujas propostas poderiam ser utilizadas para recuperar a economia e resgatar a confiança foi tido como manobra desleal;
11. PMDB tem ciência de que o governo busca promover a sua divisão, o que já tentou no passado, sem sucesso. A senhora sabe que, como Presidente do PMDB, devo manter cauteloso silencio com o objetivo de procurar o que sempre fiz: a unidade partidária. Passados estes momentos críticos, tenho certeza de que o País terá tranquilidade para crescer e consolidar as conquistas sociais.
Finalmente, sei que a senhora não tem confiança em mim e no PMDB, hoje, e não terá amanhã. Lamento, mas esta é a minha convicção.
Respeitosamente,
MICHEL TEMER
A Sua Excelência a Senhora
Doutora DILMA ROUSSEFF
Presidente da República do Brasil
Palácio do Planalto”

segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

Maduro e Golpe


Nicolas Maduro reconhece vitória da oposição
Nicolas Maduro fez um pronunciamento, ainda ontem a noite,  reconhecendo a derrota para a oposição, mas fez uma observação dizendo que vem ai nova revolução. Será outro golpe?

Da Lua vai para o PMB


O deputado Pedro da Lula anunciou a pouco que vai se filiar ao PMB, Partido da Mulher Brasileira. Da Lua entrou em divergência com o presidente Moisés Sousa, do PSC, partido pelo qual ele se elegeu. Agora ele entra para o grupo da família Gurgel que controla, também, o PMB cuja a presidente é a deputada Luciana Gurgel, no Amapá

Dep. Pedro da Lua agora no PMB

Apoio a Temer

Em entrevista ao jornal A Folha de São Paulo, o senador José Serra (PSDB) disse que dará total apoio a um eventual governo de Michel Temer. Ai se justifica as idas e vindas de Temer a São Paulo e as visitas aos tucanos.

NOTAS QUENTES DA POLITICA

Mudanças

O advogado Eugênio Fonseca já assumiu o cargo de Procurador Geral da Assembleia Legislativa. O presidente em exercício da AL , Kaká Barbosa, vem promovendo mudanças no quadro de funcionários da casa.

Quem manda? 
Cleber Barbosa ainda está respondendo pela secretaria de Comunicação da Assembleia. Apesar de ter sido convidado, mas não quis assumir, Renivaldo Costa – ele mesmo informou pelas redes sociais - é quem está distribuindo farto material sobre o que acontece nos bastidores da AL.

Rápido demais
No calor da fogueira na AL, a deputada Roseli Matos (DEM) foi eleita para presidir a Comissão Especial que vai apurar possíveis irregularidades na gestão de Moiséis Sousa. Ericlaudio Alencar (PRB), Fabricio Furlan (PSOL),  Jaci Amanajás (PROS) e são outros membros.

Bomba
Quem convive com o deputado Moisés Sousa (PSC) diz que ele tem um arsenal e promete explodi-lo em breve. Seria nitroglicerina pura. É esperar pra ver.

Pulou a fogueira
A deputada Mira Rocha (PTB) salvou-se de um dos processos que corriam contra ela no TRE-AP. Essa semana, de encontro ao relatório da juíza Stela Ramos que pedia a cassação de Mira, os cinco outros juízos votaram a favor da deputada. MR era acusada de captação ilícita de votos.

Até Hacker?
 Nota da Comunicação da AL dá conta que um hacker invadiu os computadores da instituição. Até isso? O invasor teria publicado um ato da presidência que tornaria todos os atos do dia 1o. De dezembro, dia do afastamento de Moises Sousa, nulos. A queixa já foi registrada na PF.