segunda-feira, 30 de março de 2015

Os sonhos da juventude




Olimpio Guarany

Jovem é aquele que se enquadra na faixa etária entre os 16 e 29 anos, conforme a lei brasileira, após a aprovação da PEC da Juventude. Na verdade a definição universal de jovem é: “ um ser vivo ainda imaturo, uma fase que vem antes da maturidade sexual. Onde é que entra a juventude, mesmo ? É entre a infância e a maturidade. Portanto nossa lei contraria a biologia. Sabemos que nossos jovens de hoje se tornam maduros bem antes dos 29 anos. Impulsionados por sonhos, boa parte deles vai à luta em busca de seus ideais. 
Falando em sonhos nunca é demais citar o brilhante Augusto Cury, em sua obra “Nunca Desista de Seus Sonhos”. Ele é enfático: “Esqueceram que os sonhos trazem saúde para a emoção, animam os deprimidos, transformam os inseguros em serem humanos de raro valor. Os sonhos fazem os tímidos terem golpes de ousadia e os derrotados serem construtores de oportunidades”.
Pura realidade, apesar de se estar falando de sonhos. Mas, se formos buscar na história vamos nos deparar com jovens sonhadores que mudaram o mundo, vide Steve Jobs, Albert Einsten, Bill Gates, Platão para citar alguns.  Homens que fizeram história porque um dia sonharam.
Trazendo para nossos dias, sabemos que não é fácil o ambiente para jovens sonhadores, principalmente os grande sonhadores. Um turbilhão de informações, num mundo globalizado, tocado pelos instrumentos midiáticos num ritmo tão acelerado que, às vezes, pode confundir a cabeça deles. Muitos são tomados por ansiedade e,  em determinadas situações, cobrados ao extremo que os remete ao medo. É aí que entra a escola e a família, no papel de oferecer a tranquilidade e paz para que nunca esses jovens desistam de seus sonhos. 
Mesmo com todos esses fatores,  vejo com grande esperança que essa geração será a responsável pelas mudanças que tanto almejamos para o nosso país. Penso também que a partir da participação nos movimentos de rua, do envolvimento nas manifestações, os jovens possam encontrar o caminho para a formação política e se transformarem, mais tarde, em homens públicos probos e comprometidos com o nosso país.
Força juventude, sonhar é preciso. Perseguir os sonhos em busca da realização, é a lei.
———————————————————————————————————-
Olimpio Guarany é jornalista, economista, publicitário e professor universitário


"Eu vim para servir"- artigo de Dom Pedro Conti







Dom Pedro José Conti
Bispo de Macapá


Chegamos ao início da Semana Santa e cabe bem refletir sobre a Campanha da Fraternidade. Este ano, no cartaz se vê o papa Francisco beijando o pé de um fiel ao qual acaba de lavar. Como Jesus lavou os pés dos discípulos naquela noite da última Ceia. Gesto de doação total e de legado para quem vai amar até o último instante da sua vida. Outro sinal daquela noite é o do pão e do vinho - corpo e sangue de quem vencerá a morte após ter passado por ela. Vida doada, do início ao fim. Vida gasta para dar sentido à vida de anônimos sofredores, excluídos, pecadores, julgados indignos do amor e do perdão de Deus.
A grandeza única e inigualável de Jesus não foi a força, o poder, a riqueza ou a solução milagrosa para o problema do mal, foi o amor-serviço. Foi o primeiro, porque foi o último, o servo de todos. A vitória sobre o mal e a morte não foi pelo confronto ou a medição de força, foi pela entrega total, aparentemente, a derrota total, mas para vencer com a única arma que resgata a vida, que transforma tudo, que é esperança que nunca morre: o amor.
Jesus resumiu todo esse amor com uma palavra: serviço, para deixar entender que o amor verdadeiro é muito mais que um sentimento, uma imaginação, um projeto. Deve tornar-se gesto, ação. Talvez somente um pequeno passo rumo à vitória final, mas decidido, confiante, generoso. Outros passos, de outras pessoas de boa vontade, seguirão o caminho, imitarão aquele exemplo. Outras vidas serão doadas, sacrificadas, mais uma vez, aparentemente, perdidas. Na realidade, vitoriosas, porque motivadas por um amor puro, sem interesse, sem glória, sem reconhecimento. Como Jesus na cruz. Um amor mais do que humano, divino. Transformação das nossas fraquezas, erros e limitações transfiguradas no amor. “Onde está ó morte a tua vitória?” cantaremos alegres na noite de Páscoa.
Se Jesus veio para servir, não pode ser diferente para a Igreja, o povo de Deus que, com sua diversidade de dons e carismas, caminha na história humana chamado a continuar a missão do Salvador. A Igreja de Jesus sempre será tentada, como o seu Senhor, de usar do seu poder “espiritual” para disputar com o poder “temporal”. Houve épocas que os papas coroavam imperadores e reis, na ilusão de mandar ou, talvez, na esperança de que alguns deles servissem mais ao Reino de Deus que aos reinos deste mundo. Não deu certo. Com a permissão e a bênção da Igreja, o nome de Deus foi gravado em bandeiras de exércitos, em espadas e canhões. Hoje ainda está impresso em algum dinheiro. Pobre nome de Deus! Melhor desistir desse poder humano. Talvez, porém, hoje a maior tentação para a Igreja não seja essa, mas aquela da indiferença, da acomodação, de não querer sujar as próprias mãos. Uma Igreja muito bonita, mas que olha a si mesma, autocontempla-se. Fechada, como se as dificuldades humanas, as coisas erradas que acontecem na sociedade humana estivesse apenas fora dela e não tivesse nada para também arrepender-se e melhorar. Ou seja, uma Igreja que olha muito para o céu - e para si mesma - e se esquece de olhar onde pisa, no chão da história. Desencarnada. O contrário de Jesus.
Servir à humanidade custa. Porque servir, em si, não é gostoso, não dá grande satisfação. Na maioria das vezes, não é reconhecido e nem agradecido. No entanto, sem colaboradores ou servidores obedientes e submissos, os “grandes” também não fariam quase nada. Jesus também buscou seguidores, mas, a certa altura, chamou-os de “amigos” e não mais de “servos” (Jo15,15). Ele nos quer seus amigos, servidores do bem para todos, da verdade luminosa, da justiça libertadora, da fraternidade alegre, da partilha generosa, da vida respeitada, do amor que enxuga toda lágrima. Amigos-servidores dele, porque servidores do bem de todos.
Todo cristão é chamado a servir dessa maneira. Lá onde vive, na sua família, com o seu trabalho, com a sua paciência e confiança, com o seu esforço e sacrifício. Como pode, mas sem nuca desistir. Porque o “sal” não pode perder o sabor, porque não serviria mais para nada. O “fermento” também desaparece, mas a massa fica toda fermentada. A “luz”, enfim, não pode se esconder. Se for luz mesmo, clareia, onde quer que esteja. Serviço pessoal, portanto, de cada batizado. Somos chamados, porém, a sermos tudo isso juntos, unidos, muitos ou poucos que sejamos. Não será para alcançar o poder e repetir erros do passado. Será porque acreditamos na força que vem de estarmos juntos na busca do bem, da verdade, na construção de um Reino nunca perfeito neste mundo, mas para o qual vale a pena dar as nossas vidas. Como e com Jesus.

quarta-feira, 18 de março de 2015

Descendo a ladeira

Olimpio Guaray


Olá bom dia!

Pesquisa do Data Folha divulgada, hoje, 18, revela que o governo de Dilma Roussef entrou em queda livre. Poderíamos até dizer que está derretendo.  Senão vejamos: há um pouco mais de um mês Dilma tinha aprovação de 44% dos brasileiros; essa semana caiu para 13%. Os índices de reprovação foram para a estratosfera: 62% acham o governo ruim ou péssimo. Essa posição só é um pouquinho melhor do que a de Collor, às vésperas do impeachiment, com 68% de reprovação.
Há os que pulam pra dizer que esses números só são ruins porque foram impactados pelos protestos do dia 15. Será? E se olharmos por outro ângulo? Vamos lá. Os protestos do 15 só foram bem sucedidos porque a população estava insatisfeita, não é verdade?
O pior é que a pesquisa do Data Folha revela um outro quadro que, eu diria, preocupante. Nada menos do que 60% da população brasileira imagina que a situação econômica vai piorar e, 77% acreditam que a inflação vai subir, sendo que só 6% acreditam que a inflação vai cair. Para se ter uma idéia do pessimismo da população, desde 1997 não são registrados números como esses.
Para piorar as coisas para Dilma,  no nordeste, onde ela foi mais votada e onde o PT sempre venceu, a insatisfação encosta nos números do sudeste.  Dos nordestinos 55% a desaprovam e 16% acham o governo ótimo.
Diante de um resultado tão desfavorável e com a prova irrefutável da falta de credibilidade e de autoridade do governo, está na hora dos petistas e do Planalto pararem de dizer que os protestos são coisa dos eleitores de Aécio, da elite branca de olhos azuis ou dos coxinhas paulistas.





terça-feira, 17 de março de 2015

19 de março, a história de Macapá passa por aqui

Olá,

Macapá tem dois grandes motivos para comemorar o 19 de março. É o dia do padroeiro São José e do aniversário da fortaleza São Jose de Macapá. Há uma relação direta entre os dois eventos.

A igreja de São José é o prédio mais antigo de Macapá. Sua inauguração ocorreu em 5 de março de 1761 sendo o Padre Joaquim Pair o seu primeiro vigário. A imagem original do padroeiro São José, esculpida em madeira, tem 35 cm de altura, e é considerada uma das relíquias sacras mais importantes do estado. 

A construção da fortaleza foi autorizada por Marquês de Pombal, ministro do rei D. José I. A obra foi tocada pela Capitania do Grão-Pará e Maranhão, cujo governador era Mendonça Furtado, irmão de Pombal. A construção foi iniciada em 29 de junho de 1764. Com a morte de D. José I, assumiu o trono sua filha D. Maria I que por questões políticas, exonera e persegue Marquês de Pombal. Imediatamente, deixa de investir na construção da Fortaleza de São José de Macapá, sob alegação de ser onerosa para a Coroa. Cinco anos depois, mesmo estando inacabada, foi inaugurada em 19 de março de 1782 

Tombada como Patrimônio Histórico pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), em 22 de março de 1950 a Fortaleza de São José de Macapá é um dos pontos turísticos mais visitados do estado do Amapá


segunda-feira, 16 de março de 2015

O 15 de março vai mudar a história do Brasil

Olimpio Guarany


Manifestação de 15/03/2015 em Brasilia

O Brasil pulsou, ontem. Se vestiu de verde e amarelo, sem violência, sem discurso de políticos, sem presença de celebridades, nem de cantores famosos fazendo show. Foi o povo quem fez a festa, pacificamente.
Participei da campanha das Diretas Já - morava em São Paulo - sentia de perto a indignação do povo. Mas aquele movimento era articulado pelos partidos políticos, lideranças, celebridades e cantores famosos. É certo que multidões foram às ruas, mas como a manifestação de ontem, além de eu nunca ter visto, não há registro na história do país.
É impressionante a capacidade do povo de se mobilizar, e de forma espontânea,  sem precisar de logística ou qualquer outro indutor. Os movimentos de, ontem, 15, já não foram mais difusos como os de 2013. Ontem o povo estava focado no "Fora Dilma", Fora PT, e "na indignação diante da corrupção que grassa no país".
Durante a semana, tanto o Planalto como o PT tentaram desqualificar o movimento, numa demonstração de falta de habilidade e de capacidade de entender o momento político pelo qual estamos passando.
Depois da manifestação, ontem à noite, diante da impossibilidade de se apresentar em público, face tamanha rejeição, Dilma escalou dois ministros - José Eduardo Cardozo e Miguel Rosseto para defender o governo. Foi um desastre. Trataram de diminiuir o movimento alegando de que foram os eleitores de Aécio, que era só classe média e por ai a fora. Deu dó de ver as falas patéticas e descabidas dos dois.
Não querer reconhecer o momento histórico que vive o país é, no minimo, estar fora da realidade. Está claro e definido que o barulho das ruas é reflexo da debilidade de um governo que se revela inépto.
Mais uma vez a inabilidade e falta de sintonia se ressaltou. Esse negócio de anunciar pacote anti corrupção e reforma política é falar no vazio, vindo de um governo sem autoridade e desacreditado.
O PT está há 12 anos no poder, viveu alguns momentos de glória com Lula, mas se perdeu ao colocar Dilma. Nesse período faltou compromisso com o país no quesito reforma política. Não mexeu uma palha sobre o assunto. Claro, estava tudo bem, tudo bom para o PT. Agora, sem respaldo popular, com o partido mergulhado na corrupção, no mar de lama do petrolão; querer apresentar pacote anti corrupção não passa credibilidade.
As manifestações de ontem não vão parar. Virão outras e outras até que o povo alcance seu objetivo, se tutela de ninguém, a mudança.

sexta-feira, 13 de março de 2015

A formiga no barril - D. Pedro Conti





Dom Pedro José Conti - Bispo Diocesano de Macapá
Um sábio eremita acolhia na sua escola todos os jovens, generosos e cheios de ideais, que desejavam aprender a verdadeira sabedoria. Para testar a personalidade deles, tinha encontrado um jeito bem curioso. Na frente da porta do quarto, onde cada aluno ficava hospedado, colocava um barril de água da chuva e nele deixava cair uma formiga.
Certo dia, chegaram três alunos. O primeiro olhou no barril e viu a formiga. Disse a ela:
- O que está fazendo no meu barril de água da chuva? Fora daqui! - E a esmagou. “Este é um egoísta”, pensou o mestre.
Em seguida chegou o segundo, olhou, viu a formiga e disse:
- Sabe, hoje está muito quente também para as formigas. Não está me prejudicando em nada. Fique onde está. “Este é tolerante, sentenciou o mestre.
Por fim, chegou o terceiro aluno. Nem ficou chateado e nem agiu com tolerância. Viu a formiga na água e, alegremente, deu-lhe um pouco de açúcar. “Este conhece o amor”, concluiu o mestre.
Evidentemente nós não somos formigas e nem nadamos num barril de água, no entanto, muitas vezes, precisamos de ajuda e ficamos gratos a quem nos socorre. Seria muita arrogância achar que nunca vamos precisar dos outros. Também seria muito triste pensar que não temos nada para dar e, por isso, não podemos ajudar a ninguém. Todos, um dia, vamos precisar de uma mão amiga e, por nossa vez, é muito bom aprender, desde criança, a estendê-la a quem pede auxílio.
Nos seus diálogos noturnos com Nicodemos, Jesus explica muitas coisas sobre ele mesmo e a missão que o Pai lhe confiou. Esta é a maneira que o evangelista João encontrou para nos ajudar a entender algo que, a princípio, estaria fora do nosso alcance. Com efeito, bem pouco sabemos sobre Deus. O que as religiões, os sábios e filósofos sempre fizeram foi imaginar Deus muito mais poderoso do que qualquer ser humano. Até chegar a pensá-lo absolutamente perfeito. Quem sabe tudo e pode tudo, evidentemente, não precisa de nada. Por que, então, Deus deveria interessar-se pela humanidade?
Muitos ainda pensam assim. Consideram o ser humano tão ingrato e malvado que não merece tal interesse. Outros entendem que se Deus tivesse mesmo algo a ver conosco já deveria ter resolvido, de uma vez por todas, os nossos problemas de sofrimento e de morte. No entanto, nas palavras de Jesus do evangelho deste quarto domingo de Quaresma, tomamos conhecimento de que Deus não se interessa pelos homens porque o mereçam e nem passa por cima da nossa liberdade e responsabilidade, acabando com o mal sem a nossa vontade e participação. Ele também não quer nos amedrontar e esmagar com o seu poder.
Com Jesus, Deus prefere partilhar a nossa vida e a nossa morte. Faz-se criança e nasce “de mulher”. Aceita os limites do tempo e do espaço. Sem ter feito alguma coisa errada, escolhe estar do lado dos condenados. Crucificado, sofre até morrer; derrama seu sangue perdoando seus algozes. Tudo por amor, sem condições, sem preferências para uns ou para outros, sem pedir nada em troca, por pura generosidade. Ele quer nos tirar do abismo do mal, passando pelo caminho do perdão, da paz e da comunhão. Deus Pai enviou o seu Filho por amor e este não veio para julgar e condenar, mas para dar vida nova a quem a tinha perdido. Esta é a salvação! Quem crê e confia no Deus de Jesus começa a fazer parte desta vida plena que é a própria vida divina. Acolher Jesus é como encontrar a luz que permite discernir – julgar – o caminho do bem e da verdade. O contrário é escolher a escuridão, fugir e se esconder da luz para que não seja desmascarado o mal praticado.
Nunca é tarde para levantar a cabeça e olhar para Jesus, crucificado por amor, levantado na cruz para reerguer os caídos, morto para dar vida aos mortais. Tudo é puro dom de Deus (cf. Ef 2,8). Se, quando estamos na dificuldade, aceitamos a ajuda dos homens, por que ainda não confiamos sem reservas no amor de Deus? A formiguinha, que somos todos nós, não é nem esmagada e nem tolerada: é amada. A caro preço.

Dicas pra quem vai protestar nas ruas domingo, 15.


Seria bom vc ler as dicas distribuídas pelos organizadores das manifestações do próximo domingo,15. Podem ajudar a vc protestar em paz.

Vamos a elas:

1 – Bandeiras de partidos políticos e outras organizações ligadas aos mesmos não são bem-vindas.
2 – A marcha é do povo, e ninguém a utilizará para autopromoção.
3 – Se você vir qualquer movimento ou atitude suspeitos, utilize a melhor arma que tem para isso: seu celular. Filme tudo e entregue o arquivo para a organização do ato, a fim de que providências legais sejam tomadas.
4 – Se surgir qualquer foco de violência ou vandalismo contra o patrimônio público ou privado, todos deverão sentar-se até que os policiais que farão a escolta, fardados ou à paisana, capturem o meliante.
5 – Se houver provocações oriundas de qualquer grupo estranho ao ato, apenas ignore. Eles estão desesperados, pois tudo o que construíram está ruindo. Nós somos a ameaça aos seus interesses escusos. Somos o golpe de misericórdia contra o PT.
6 – Atenção às mensagens que serão enviadas do carro de som!
7 – Evite roupas vermelhas ou pretas. Elas lembram o PT e os black blocs. Não compareça ao evento com camisetas que façam alusão a partidos políticos.
8 – Verde e amarelo são as cores ideais para o dia de indignação. Pinte o rosto!
9 – Confeccione faixas e cartazes. Leve bandeiras do Brasil, nariz de palhaço, cornetas, apitos, faça barulho! Leve também balões azuis, amarelos e verdes. Vamos chamar atenção para nossa causa.
10 – Durante a marcha, fique atento às palavras de ordem que serão estimuladas pela organização! Nada de coros que não são pertinentes ao ato. Lembre-se: você está nas ruas para reivindicar direitos.
11 – A Polícia é nossa amiga. Gente ordeira e trabalhadora não teme aqueles que nos protegem. Eles estarão presentes para garantir que tudo corra bem. Não trate esses bravos servidores públicos de forma hostil.
12 – Convide amigos e vizinhos. Vá com sua família ao ato! Ensine seus filhos desde pequenos que política é algo bom e deve ter à frente pessoas de bem. Estimule-os a fazer parte da história e não apenas a vê-la passar. Um povo que luta por seus direitos e participa é respeitado por seu governo.
13 – Respeite os veículos que se aproximarem da marcha. Não bata nos vidros, tampouco na lataria dos carros. Não jogue lixo no chão. Recolha papéis e outros objetos e deposite em lixeiras. Somos civilizados.
14 – Permaneça no roteiro da marcha. A intenção é mostrar nossa força, não travar o trânsito.
15 – Se chover, vá mesmo assim! Leve seu guarda-chuva, mas não deixe de comparecer. Não somos feitos de açúcar. Temos força e raça! Nada impedirá nossa luta pelo Brasil que queremos!
16 – Caso alguém passe mal no evento, forneça ajuda e contate a organização.
17 – Qualquer crítica ou sugestão serão bem-recebidas por aqueles que organizam o ato.
18 – Leve água para se hidratar durante o percurso. Respeite crianças e idosos.
19-  Desejamos uma ótima marcha a todos!

quinta-feira, 12 de março de 2015

Cesare Battisti, terrorista italiano, é preso em SP

Cesare Battisti, terrorista italiano é acusado de ser autor de quatro assina tos
A Policia federal prendeu, ainda a pouco, o terrorista italiano Cesare Battisti, no Embu das Artes., São Paulo. A decisão foi da juíza Adverci Rates, da 20a Vara Federal de Brasilia. Battisti vai ficar na Superintendência da Policia Federal, na Lapa, em São Paulo até que seja decidida  sua eventual deportação.
Battisti é condenado a prisão perpetua pela justiça italiana, acusado de ter cometido 4 assassinatos, na década de 70. O terrorista vive livremente no Brasil desde 2004.
Em 2010, no finalzinho de seu governo, Lula baixou ato presidencial garantindo a permanência  de Battisti, após o STF ter decidido por sua deportação.

Aumenta o desemprego no Brasil, diz FGV.


Adicionar legenda

Da redação

Piora o mercado de trabalho. Segundo a Fundação Getulio Vargas o resultado do Indicador Coincidente de Desemprego apurado em fevereiro que pulou para 78 pontos revela a queda no nível de emprego no Brasil. 
O ICD é construído a partir dos dados desagregados, em quatro classes de renda familiar, da pergunta da Sondagem do Consumidor que procura captar a percepção sobre a situação presente do mercado de trabalho.
O resultado mantém a tendência de alta iniciada em 2014, de acordo com a Fundação Getulio Vargas (FGV). Em janeiro, o ICD havia subido 4,8%. 
"Os resultados apontam que a redução do emprego deve continuar no primeiro trimestre do ano, principalmente pela piora nas expectativas de trabalhadores e empresas em relação ao mercado de trabalho. Adicionalmente, a piora na percepção dos negócios, principalmente no setor de serviços intensivos em mão de obra, deve contribuir também para elevação das demissões e, consequentemente, do desemprego, nos próximos meses", avaliou o economista Rodrigo Leandro de Moura, pesquisador da FGV, em nota.


sexta-feira, 6 de março de 2015

Cabralzinho, herói brasileiro, no texto de Gilberto Freyre, no livro de Silvio Meira, sobre a História do Pará.



Veiga Cabral, foto de 1501
“Será que o Brasil pode dar-se ao luxo de deixar na sobra heróis ignorados? Ou encobertos? Não há povo que possa viver saudavelmente sem lembrar-se de seus heróis. Sem cuidar de que eles existem. Quando lhe faltam os verdadeiros, recorre aos espúrios. Vale-se dos arremedos.
Em Fronteiras sangrentas, o erudito admirável, (...) recorda aos brasileiros de hoje os heróis do Amapá. heróis aos quais deve muito o Brasil. Entretanto são ignorados. Estão nas sombras, quando o maior deles, Francisco Xavier da Veiga Cabral, chega a ser épico.”


Gilberto Freyre

segunda-feira, 2 de março de 2015

Governo provoca elevação de inflação.




Olá bom dia!


Hoje a energia está mais cara, o aumento médio autorizado pela Aneel é da ordem de 23%. É o segundo aumento neste ano. Já levamos a primeira paulada no inicio do ano. Os preços administrados, aqueles ditados pelo governo como energia, combustíveis entre outros, vão impulsionar a inflação pra cima. Já trabalhamos com a expectativa de uma taxa de  7,5% para este ano. Inflação alta quer dizer perda de poder de compra do dinheiro, especialmente do assalariado que não tem reajuste nos mesmos níveis da inflação.