segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Jogo indefinido

Olimpio Guarany

Esta é uma semana decisiva para os dois candidatos em disputa no segundo turno das eleições em Macapá. De um lado o atual prefeito Clécio Luis (REDE) e de outro Gilvam Borges (PMDB).
Esta não tem sido uma campanha amena e no segundo turno a temperatura se elevou. Os candidatos ocupam boa parte do seu tempo em ataques mútuos.
Vamos entender como se tem desenrolado a campanha para a prefeitura de Macapá.
Surpreendentemente e contrariando o que se projetava, baseado em levantamentos desde o primeiro turno, Gilvam Borges apresenta-se numa curva ascendente. Os números do IBOPE e de outros institutos de pesquisa nos levam a refletir sobre a tendência do eleitor.
Tirando o atual prefeito Clécio que manteve-se posicionado na ponta, os demais candidatos registraram um sobe e desce na preferência do eleitor com base nas pesquisas divulgadas, exceto Gilvam que estabilizou e depois foi para a ascendente. Lembre-se de que no primeiro momento o Promotor Moisés aparecia em segundo lugar, parelho com Aline Gurgel e seguido de perto por Gilvam Borges e atrás os outros concorrentes, mas depois que os programas de TV e rádio passaram a ser exibidos verificou-se uma mudança no comportamento do eleitor resultando na queda vertiginosa de Moisés, na subida mais célere de Aline e de Gilvam mais lenta.
Na reta final do primeiro turno, Gilvam adotou estratégias que o fizeram ultrapassar os dois adversários que estavam à frente numa performance de crescimento que, ao final do primeiro turno, registrou mais que o dobro em relação a primeira medição do IBOPE.
Definidos os dois, Clécio e Gilvam, se iniciou uma nova arrumação no tabuleiro. Aline, a terceira colocada passou a apoiar Gilvam e Moisés, o quarto, ficou com Clécio. Os movimentos na busca por apoio de outras lideranças foram intensos na primeira semana. Até ocorreu algo pouco comum em Macapá como, por exemplo, lideranças que estavam de um lado e passaram para outro. Os dois contabilizam vantagens, mas as pesquisas tem mostrado que Gilvam obteve melhor crescimento no segundo turno. Clécio subiu 13% e Gilvam cresceu 17% a partir do resultado do primeiro turno. Olhando friamente os números vê-se que o crescimento de Clécio foi mais lento, o que os analistas avaliam como chegada próxima(o) ao teto, enquanto Gilvam acelerou mais no segundo turno.
Macapá já não é uma cidade pequena, todavia temos registrado na memória a época em que o candidato saia às ruas e de casa em casa pegava na mão do eleitor. Hoje não dá mais para fazer isso, o período da campanha foi encurtado e os meios de comunicação se tornaram ferramenta indispensável.  Além do rádio e da TV, a democratização da internet tem sido um fator importante para a disseminação da informação, meio pelo qual os candidatos podem fazer chegar ao eleitor as suas propostas. E é por esses meios que muitos, principalmente os indecisos, vão decidir o seu voto e provavelmente a eleição.
Quase uma semana depois da divulgação da ultima pesquisa do IBOPE não dá para dizer a quantas anda a tendência eleitoral, hoje. A pesquisa mais recente do Instituto Eccos mostra que a diferença entre Clécio e Gilvam vem diminuindo.
De todo modo, a uma semana da votação em segundo turno, não se pode fazer um prognóstico seguro, mas é certo que, como ocorreu nos dois últimos pleitos de 2008 e 2012, a disputa será renhida. Portanto, o jogo está indefinido.
______________________________________________________________________

Olimpio Guarany é jornalista, economista, publicitário e professor universitário